segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Relato de uma formanda de dança gaúcha feliz

Em certos bons momentos que passam na nossa vida, só nos resta pedir bis, e esperar que os próximos sejam tão perfeitos quanto o que já passou. E o último dia 21 foi um desses momentos, e a gente sente que foi realmente bom, porque mesmo com dor nas pernas, suor escorrendo, vestido pesado, cabeça doendo por conta dos grampos, e sono, muito sono, a gente não quer que acabe! Vai dando uma tristeza quando vão tocando a “saideira”, as pessoas vão indo embora, e as coisas vão voltando a sua normalidade.
Não vou ficar falando do fim, sem nem ter contado o começo né.


E foi tudo tão bom, que faltam até palavras.



Nos últimos meses tive o prazer de conhecer pessoas incríveis através da dança. Bem atrapalhada no início (bem, isso continuo sendo), sem noção do que eu estava dançando, fui aos poucos me familiarizando com a música e com os instrutores, todos sempre muito simpáticos e atenciosos. Ficava contando os dias e as horas que faltavam para os próximos dias de curso, era perceptível minha empolgação.
No meu primeiro dia, encontro ninguém mais, ninguém menos que Rivaldo-san lá ( amigo-massageadordeego-conselheiro-psicólogo-filósofo-pédevalsa-bohemio-gênio e agora padrinho). E ele, como sempre, me impulsionou a seguir em frente, mesmo eu não acertando um único passo no xote figurado, ele dizia que estava indo bem (:P).
Então chegou o dia da tão esperada (pelo menos por mim foi) formatura. O dia decorreu perfeitamente bem, com exceção do grande atraso na chegado do meu vestido, fato que me deixou extremamente irritada e que acarretou uma pequena falta de pontualidade, mas graças ao Cara lá de cima deu tudo certo.


Que sensação delirante que aquele monte de panos trás, dá uma segurança, mesmo sendo muito quente e um tanto comprido pra mim (eu quero maais).


Meu Padrinho mais querido!



Parte da FAMÍLIA, pessoas que eu tive o grande prazer de conhecer e que continuarei a conviver por pelo menos, mais uns três meses.

Graças ao Sr. Rafael saí com cara de pamonha, além de muito melada de suor, depois de ter dançado sei lá quantas músicas seguidas, com essa criatura do meu lado esquerdo.

Ele fica rindo de mim; diz que eu danço muito mal; que é um sacrifício dançar comigo; que se eu caísse, ele iria sair correndo e que eu uso a desculpa esfarrapada de ser aprendiz quando cometo os meus errinhos, mas mesmo assim eu adOro ele. E se fosse o contrário, e quem caísse fosse ele, eu cairia junto e fingiria ser uma figuração. Ah e foi numa conversa durante a dança que eu criei uma nova forma de dividir os homens, os que dançam e os que não dançam.(^^)

Meu gordinho-sexy e minha cunhada-predileta.

E como esquecer da minha sobrinha Kuka?! Ela que roubou a cena naquela noite. Extremamente receptiva, se deu bem com todos. Coisinha querida ;)

Na última sexta-feira foi encerrada esta maravilhosa etapa da minha vida, e é com grande satisfação que repetirei tudo isso, seja para aprimorar o que me foi ensinado, seja para continuar passando algumas horinhas semanais com meus novos amigos, seja simplesmente pela alegria que a dança me trás...


...dance bem...dance mal...dance sem parar...

Um comentário:

Psico disse...

Meee...eu vivo falando e tu nunca me escuta...tu é um fenômeno Bruna-san...aceita todos os desafios e se sai perfeitamente bem de todos eles...Parabéns pela formatura, por mais uma conquista, e por ser essa menina maravilhosa...

E mais uma vez quero deixar aqui registrado o quanto eu a admiro e o prazer que tenho em poder te chamar de amiga!!!

Adoro tu menina!!!

Sucesso sempre!!!